Asset 57
Asset 54

Subscrição de conteúdo

Receba as novidades sobre os nossos produtos e serviços

02 Março 2021

Clubhouse: conheça a app que pôs (quase) todos a falar… e saiba como as marcas já a estão a usar!

Já ouviu falar da Clubhouse? A rede social do momento junta todos os ingredientes para o sucesso: é nova, é diferente e super exclusiva! E o resultado está à vista:  conta já com milhões de utilizadores em todo o mundo e milhares em Portugal, tem ocupado os primeiros lugares no TOP das apps mais baixadas da App Store e já conquistou a curiosidade de personalidades como Elon Musk. 
 

No Clubhouse não há lugar para fotos, vídeos ou grandes textos. Numa espécie de mistura entre podcast e conversa telefónica, a voz é rainha e faz-se ouvir em salas de conservação onde todos podem entrar. Todos, salvo seja... Para entrar no Clubhouse, ouvir e participar é necessário convite. 
 

Curioso? Nas próximas linhas, vai encontrar tudo o que tem de saber sobre a aplicação que tem posto todos a falar com e sobre ela. No fim, ainda lhe explicamos como é que as marcas já a estão a usar para se relacionarem com os utilizadores.

Clubhouse: a receita para o sucesso

A Clubhouse nasceu em abril de 2020, em plena pandemia, pelas mãos de Paul Davidson e Rohan Seth. Em apenas dois meses, atingiu os 1.500 utilizadores e, passado nem sequer um ano desde a sua estreia, já conquistou milhões de utilizadores em todo o mundo e milhares em Portugal. 
 

De acordo com o jornal Financial Times, a Clubhouse é a rede social que, neste momento, está a crescer mais rápido. Passados cerca de dois meses após a sua criação, a Clubhouse já era considerada um unicórnio, ou seja, já valia 100 milhões de dólares e o crescimento continua: a 1 de fevereiro deste ano, já tinha um valor superior a um bilião de dólares. 
 

Mas como funciona ao certo a Clubhouse e o que a torna tão bem sucedida? Vamos por partes. 

Como funciona a Clubhouse?

Na Clubhouse, o áudio é a principal ferramenta de publicação e comunicação. Assim como nas outras redes sociais, os utilizadores têm um perfil com o qual se apresentam, também podem seguir e ser seguidos, ter uma breve biografia e uma fotografia de perfil. 
 

Através desse mesmo perfil, o utilizador poderá entrar nas diferentes salas de conversação e ouvir as discussões cujos temas são variados: política, clima, investimentos, desporto… Além disso, os utilizadores poderão solicitar uma pergunta por escrito e, se for aceite pelos moderadores, ser-lhe-á dada a palavra. Aí, é altura de ligar o microfone e fazer parte da discussão. Enquanto isso, é boa política silenciar o micro de modo a não interferir com o diálogo. 

1. A voz é quem manda

A Clubhouse é uma rede social sem vídeos, imagens nem texto e onde reinam os áudios e quem entrar terá acesso a conversas, entrevistas e discussões. Há quem olhe para a Clubhouse como uma extensão dos podcasts, onde se misturam com uma conversa telefónica. 
 

Os utilizadores podem assistir a conversas ou criar as suas próprias transmissões, que por sua vez podem ser públicas ou privadas. Porém, ao contrário do podcast, as transmissões não são guardadas para serem transmitidas mais tarde. É essa a semelhança com as conversas telefónicas: terminada a conversa, a transmissão acaba e o áudio desaparece.

2. O fator exclusividade - a Clubhouse não é para quem quer, é para quem pode

Até agora, juntar-nos a uma nova rede social era uma questão de ir até à App Store ou Google Play e fazer download. A Clubhouse mudou as regras do jogo: aqui, nem todos têm uma voz. Neste momento, só se pode juntar a esta rede social quem tiver convite, sendo que cada membro poderá enviar apenas dois convites. 
 

Porém, os criadores já comunicaram a intenção de abrir a porta da Clubhouse  para todo o mundo, já em 2021. Prevê-se ainda que a Clubhouse cresça ainda mais quando também estiver disponível para sistema Androind, uma vez que neste momento só está acessível para utilizadores do sistema iOS

3. A presença dos grandes nomes da inovação e tecnologia

A presença de grandes nomes e de diferentes áreas tem ajudado a alavancar o sucesso da Clubhouse, como Drake, Tiffany Haddish, Jared Leto, Ashton Kutcher e Chris Rock. 
 

A aplicação já conseguiu chamar a atenção de personalidades como Elon Musk, que juntou milhares de pessoas numa sala (virtual) a ouvir uma conversa com Marc Andreessen, um dos investidores que apostaram nesta nova plataforma.
 

O dono da Tesla e Space X também já fez um convite a Vladimir Putin. Na sua conta do Twitter escreveu "Gostaria de me acompanhar numa conversa na Clubhouse?” e, apesar de ainda não ter sido comunicada uma resposta final, Dmitry Peskov, porta-voz do Kremlin, afirmou que “Esta é certamente uma proposta muito interessante.”

Como é que as marcas estão a usar a Clubhouse?

Se é gestor de uma empresa ou responsável pela comunicação de uma marca, deve estar a perguntar-se como é que pode usufruir desta aplicação para interagir e se relacionar com os seus públicos.

m Portugal, ainda não há registo de marcas que estejam a utilizar a aplicação, mas noutros países já há quem esteja a usar a plataforma para promover discussões sobre temáticas relacionadas com a marca. Vamos a alguns exemplos. 

O caso da Nescau

No Brasil, a marca de achocolatados Nescau (pertencente ao mundo Nestlé), criou a sala “Nascau Sports Talk” e convidou a atleta paralímpica Verônica Hipólito e a ginasta Flávia Saraiva para falar sobre o poder do desporto, a importância da atividade física para o desenvolvimento pessoal e para o processo de superação de obstáculos.
 

Abner Bezerra, principal responsável pelo marketing da Nescau e das bebidas Nestlé, explicou que “o nosso principal objetivo é encontrar na plataforma mais um caminho para ampliar o debate sobre os temas que permeiam a marca como esporte, sustentabilidade, inovação, entre outros”. 

O exemplo da Audi

Também a marca Audi, no Brasil, promoveu o tema “A Era dos Carros Elétricos, Powered by Audi”, onde foi debatido a troca experiências e informações sobre a propriedade, uso e a transição para os veículos 100% elétricos.

Segundo Cláudio Rawicz, diretor de comunicação e marketing da empresa, a decisão aconteceu “pelo fato de a audiência estar extremamente segmentada nesta aplicação”. Durante a transmissão de 90 minutos, passaram pela sala mais de mil pessoas
 

Já conhecia a Clubhouse? Ficou curioso? Acha que aplicação tem futuro e espaço para crescer? A sua marca conseguiria abrir uma sala, promover uma discussão e, assim, relacionar-se com os seus públicos? Partilhe a sua opinião nos comentários! 

+ informações

Subscrição de conteúdo

Receba as novidades sobre os nossos produtos e serviços

+ informações

Como criar um serviço de pós-venda que realmente fidelize clientes O que os consumidores esperam de um e-commerce em tempos de pandemia
Asset 57
Asset 57
Utilizamos cookies próprios e de terceiros para lhe oferecer uma melhor experiência e serviço.
Para saber que cookies usamos e como os desativar, leia a política de cookies. Ao ignorar ou fechar esta mensagem, e exceto se tiver desativado as cookies, está a concordar com o seu uso neste dispositivo.